quarta-feira, janeiro 21, 2009

La casa de la mujer

Muita gente me pergunta o que, diabos, eu estou fazendo aqui no Chile. Para muitos já respondi com longas explicações, diagramas e metáforas e, para outros, apenas digo que estou trabalhando em "La Casa de La Mujer". E no fim, as duas coisas estão certas, uma com mais riqueza de detalhes e a outra, nem tanto.

Para, então, entregar um entendimento mais equânime entre meus leitores e amigos. Dou uma explicada rápida no que estou fazendo e posto, para os mais interessados, um vídeo que fala sobre o que é o projeto e o trabalho que estou realizando.

Um projeto. É isso. Um projeto baseado em intercâmbio e desenvolvimento de responsabilidade social corporativa, nossa famosa e amiga CSR, do inglês, Corporative Social Responsability. Isso é desenvolvido pela AIESEC - uma organização mundial de jovens universitários que visa o desenvolvimento da liderança através de intercâmbios profissionais, mais interessados, basta dar uma clicada aí encima e fuçar até ver se te interessa ou não. A organização, de uns tempos para cá, vem apostando no desenvolvimento de intercâmbios que impactem de uma maneira positiva a sociedade, entregando, assim, os tão desejados agentes de mudança, protudo final do desenvolvimento que a AIESEC proporciona. Bem, eu estou nesse barco agora. Meu trabalho consiste em entregar mais capacitação para mulheres da cidade de Lota, região metropolitana de Concepcion.

A história de lota é bastante marcada pela pobreza e exploração do povo. Um povoado que se desenvolveu em função de uma mina de carvão que tinha ali. Como toda a mina, era insalubre e oferecia condições terríveis de trabalho. Essa mina - a título de curiosidade - é uma das únicas do mundo que vai para dentro do oceano, isso é, a escavação levou para o lado do mar e o risco de um desabamento é super presente. Atualmente, as minas não passam de ponto turístico, pois foram fechadas em 1997 e, de lá para cá, o povo de Lota teve que buscar novas formas de ganhar a vida. Como os homens caíram em uma depressão profunda, pois, para os Chilenos, tirar o emprego é como tirar a virilidade, chegou a hora das mulheres arregaçarem as mangas e ganharem o sustento para casa. Nesse contexto, nasce o trabalho da Casa de La Mujer. Uma organização não governamental, que se fundou com o propósito de oferecer qualificação técnica e apoio as mulheres de Lota, na formação de seus próprios negócios e orientações para uma vida com mais direitos.

O trabalho desenvolvido pela ONG é muito bem organizado e ela é bastante reconhecidad dentro da comunidade. É ponto de referência para as mulheres e as pessoas que ali trabalham fazem isso com grande paixão. Atualmente, são oferecidos cursos de capacitação em diversas áreas, com oficinas de cerâmica, costura e culinária, além disso, há apoio psicossocial e outras atividades de acompanhamento e desenvolvimento. O meu trabalho é junto a um fundo de empréstimos. Eu devo prover formação e capacitação na área financeira e de vendas. Palestras, seminários e acompanhamento de negócio de 15 mulheres empreendedoras. Enfim, está sendo muito legal, mas o tempo é curto e eu trabalho só três vezes na semana, tenho que correr para fazer todas as coisas.

Bueno, quem quer saber mais, pode olhar o vídeo.







1 idéias:

Deka Silva disse...

Sério, fez diagrama?? hehe
Bem explicadinho Sr. Marcelo.
Se bem que se disse que foi pro Chile já basta!